Erika Prata, a estimada e insubstituível “irbã”


Erika, Como registrar em algumas palavras um sentimento aflorado ao longo desses últimos anos? Não sei. Na verdade, poderia ser daqueles tradicionais escrevendo poemas, acrósticos com o seu nome, ou, até mesmo, me preocupar em fazer de um afeltrado de fibras unidas tanto fisicamente como quimicamente por ligações de hidrogênio (me refiro ao papel… Tá bom, com as… Leia mais Erika Prata, a estimada e insubstituível “irbã”